II TA Voleibol FM: o bloco para as fases finais

A Universidade da Beira Interior recebeu o II Torneio de Apuramento de Voleibol feminino e masculino nos dias 4 e 5 de Março. Com a vontade de chegar mais longe, as equipas disputaram a prova muito ao ritmo do ITA.




Sem surpresas, a equipa masculina da Académica de Coimbra está directamente apurada para a Fase Final, onde terá a companhia da AAUAlg, que já no ITA tinha conseguido o segundo lugar da tabela. Na cidade do Porto, a 22 e 23 de Março, as equipas da AAUTAD e do Politécnico de Coimbra estarão na Fase de Repescagem na corrida para o apuramento.

No feminino, a equipa da AAUM e a AAUAv não deixam dúvidas da sua qualidade e superioridade no voleibol feminino universitário e conseguem assim o apuramento directo. Para a fase de repescagem, seguem as equipas da AAUAlg e a estreante AEISCAC.





17 Anos de dedicação


Vicente João, 42 anos, jogador universitário e federado, representa a AAUTAD e está a terminar o doutoramento em Análise de Jogo no Voleibol. Faz 17 Anos que representa a sua academia e há bem pouco tempo recebeu uma homenagem na Gala de Desporto da UTAD pela dedicação de tantos anos à instituição: “é o verdadeiro amor à causa”.

Esteve também muitos anos ligado ao Futsal como atleta e treinador, ao Andebol, à Natação e ao Basquetebol, sempre em representação da AAUTAD. Nos últimos 3 anos, esteve afastado por razões profissionais e pessoais, já que é professor na universidade e pai de 2 filhas. “É muito complicado gerir isso tudo”, afirma.

Participou em muitas Fases Finais, como treinador de Voleibol feminino e masculino, como atleta em diversas modalidades e ainda 3 anos como delegado técnico da FADU no voleibol.

Quanto a esta prova, refere que esteve bem organizada e a arbitragem esteve sempre presente, com a qualidade da arbitragem a ser um pouco melhor. “No primeiro torneio estive quase de passagem, fiz apenas dois jogos”, mas destaca a participação muito forte da Académica de Coimbra e a AAUAlg como uma boa surpresa.




A nível dos jogadores, tem diminuído a qualidade dos atletas, “como é um processo reciclável, um ano uma equipa pode ser muito forte e no seguinte menos”, comenta.

Uma dificuldade a que faz referência é o objectivo do estudante na instituição: “estamos numa fase de transição, anteriormente tínhamos 5 anos em que as equipas se preparavam com outra bagagem, actualmente com o processo de Bolonha, as pessoas não passam, simplesmente pensam mais nas suas saídas profissionais”. Assim, lamenta que são poucos os atletas que “vestem a camisola das universidades”.

Os jogadores federados da sua academia nem sempre estão atentos e alguns nem chegam a participar. “Se houvesse alguma sensibilidade por parte da federação e das instituições de passar informação sobre as provas aos jogadores e ao público, de certeza que haveria mais participação”, sugere.

O formato é uma mais-valia para as outras academias fora dos grandes centros de Lisboa e Porto, referindo “por agrupar as equipas em regionais dá oportunidade às outras academias de participarem e conseguirem ir mais longe”.

Vicente, falou-nos também no facto de que o desporto federado desenvolveu uma tendência de tornar a competição universitária mais séria “e isso é muito bom”.

e-max.it: your social media marketing partner
 

Apoios Institucionais

Governo Português
IPDJ

Patrocionador Principal

Jogos Santa Casa

Parceiros

COSMOS
CISION

Membro

FISU
EUSA
COP
CPP
CDP
CNJ
FADU

Avenida Professor Egas Moniz
Estádio Universitário de Lisboa, Pavilhão nº1
1600-190 - Lisboa

e: fadu@fadu.pt
t: (+351) 21 781 81 60
f: (+351) 21 781 81 61

Newsletters

Social

ptenfr

FADU - Todos os Direitos Reservados © 2015
Desenvolvido por Drop Agency

Este website utiliza cookies que permitem melhorar a sua navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. O que são Cookies?