Fadu

À conversa com Amaro Teixeira

 

Amaro Teixeira é atleta universitário (sagrou-se há dias campeão nacional universitário dos 5000m marcha em pista coberta), mas é também técnico de atletismo, no mundo universitário e a nível federado. Recentemente, Amaro Teixeira foi distinguido pela Federação Portuguesa de Atletismo como um dos dez treinadores do ano nas camadas jovens. A FADU esteve à conversa com Amaro Teixeira, para perceber a influência do desporto universitário na sua carreira e para conhecer quais as suas ambições e sonhos no atletismo. 

 

FADU: Referes em entrevistas anteriores que o desporto universitário foi o que te fez definitivamente apostar no atletismo. Foi no desporto universitário que deu definitivamente “o clique” para apostares no atletismo e numa carreira mais sólida e posteriormente como treinador?

 

Amaro Teixeira (AT): O desporto universitário realmente mudou-me e fez-me apostar mais a sério no atletismo, mas o que quero dizer é que isto aconteceu devido a ter sido no desporto universitário que me iniciei na disciplina do atletismo de marcha atlética, e os resultados que fui alcançando e os tempos que fui melhorando é que me fizeram querer apostar mais enquanto atleta e a pensar na alta competição e em querer chegar aos jogos olímpicos. Eu sempre apostei muito no atletismo e ia continuar a apostar mas ter descoberto a marcha atlética mudou a minha vida e isso foi devido ao desporto universitário. Tenho também tentado conciliar a carreira de treinador com a de atleta, mas não é fácil, o desporto universitário também foi fundamental para a minha carreira de treinador, aos poucos fui treinando mais atletas e fico satisfeito pelos resultados até agora alcançados.

 

FADU: Também como treinador os teus primeiros passos foram no desporto universitário. Como tens acompanhado o desenvolvimento do desporto universitário ao longo dos anos?

 

AT: Como já referi o desporto universitário foi essencial para mim, enquanto treinador foi onde comecei a orientar atletas e depois surgiu a hipótese de treinar atletas mais jovens que ainda não pertenciam à universidade. O desporto universitário tem tido um grande desenvolvimento e tem ganho mais importância, mas ainda há professores que mesmo havendo estatuto de atleta-estudante, não olham para o desporto como deviam. Há também realidades e estruturas bem diferentes a nível nacional e as universidades têm tentado estar mais competitivas, criam até medidas para favorecer os melhores atletas. O desenvolvimento é positivo e falando da estrutura da Universidade da Beira Interior, o nosso crescimento tem sido bastante positivo e é fruto de uma boa estrutura que tem sido implementada desde há vários anos, é verdade que podemos querer sempre melhores condições, mas é também verdade que poucas universidades têm uma estrutura como a nossa.

 

FADU: Se tivesses que apontar algumas das vantagens de praticar desporto durante a carreira académica, quais é que apontarias? O que é que em ti, sentes que o desporto universitário te ajudou enquanto estudante?

 

AT: O desporto seja a que nível for, faz uma pessoa libertar-se e tentar superar as suas dificuldades. É uma maneira saudável de ocupar o tempo e ao mesmo tempo fazer amizades e conhecer novos sítios. Seja na universidade ou fora o desporto na minha opinião tem sempre efeitos positivos, e o desporto universitário com uma boa estrutura por detrás é fundamental para que um atleta não abandone a prática desportiva e no meu caso ajudou-me a descobrir a disciplina da marcha atlética, que é onde tenho conseguido ter uma grande evolução e algum destaque no panorama nacional. Enquanto estudante, e sendo natural dos Açores, ajudou-me a manter-me sempre ocupado e motivado para tudo.

 

 

FADU: De que forma é que o facto de competires te ajuda depois no teu papel enquanto treinador? Consideras que vais melhorando como treinador com a experiência enquanto atleta?

 

AT: Ser atleta desde os 13 anos ajudou imenso, pois a perceção que temos das situações é totalmente diferente, conseguimos compreender melhor as sensações dos atletas e pensar os treinos e competições como se tivéssemos no lugar deles. Quem me conhece sabe que esforço, dedicação e espírito de sacrifício são características essenciais enquanto atleta e tento transmitir isso, fazendo com que eles percebam que se forem dedicados os resultados vão aparecer.

 

FADU: Recebeste em 2016 uma distinção enquanto treinador de atletismo juvenil, por parte da Federação Portuguesa de Atletismo. O que significa para ti esta distinção?

 

AT: Para mim significa muito, eu tenho-me dedicado muito à modalidade e os resultados têm aparecido. Poder ajudar os atletas a superarem-se, a conseguirem alcançar os seus objetivos e alcançarem metas que pareciam impossíveis. Desde que eles gostem e sejam dedicados eu fico muito motivado com os seus resultados. Também fico orgulhoso de eles conseguirem algo que eu não consegui com a idade deles. Ajudá-los nas suas conquistas é muito satisfatório. Sou também o primeiro treinador do distrito de Castelo Branco a receber uma distinção do género por parte da FPA e acredito que mais poderão conseguir.

 

FADU: Portugal atravessa agora uma fase de menor fulgor no meio-fundo. Do que vês nos escalões mais jovens, há matéria-prima para voltar aos bons resultados em breve?

 

AT: Penso que no meio-fundo e noutras disciplinas, esta fase deve-se aos fatores que levam a que os jovens não continuem a praticar a modalidade. Hoje em dia muitos abandonam a prática quando entram para a universidade ou quando já não conseguem ter tempo para treinar o que queriam, acho que também esta geração da internet, tablets, entre outros dispositivos que há 20/30 anos não existiam também tem grande influência nos hábitos e nos interesses dos jovens. Ainda assim vão aparecendo alguns jovens com vontade e focados no que querem, mas se quando entrarem ou após saírem da universidade não tiverem um bom grupo de apoio acabam por desistir. Portanto a minha resposta é que existem jovens com grande qualidade, o problema principal é eles conseguirem ter condições e motivação para chegarem a atletas seniores internacionais, porque à medida que vão crescendo vão exigir mais do corpo, do descanso e nem toda a gente consegue, fora ainda os fatores externos à modalidade.

 

e-max.it: your social media marketing partner
 

Apoios Institucionais

Governo Português
IPDJ

Membro

FISU
EUSA
COP
CPP
CDP
CNJ

Parceiros

COSMOS
FADU

Avenida Professor Egas Moniz
Estádio Universitário de Lisboa, Pavilhão nº1
1600-190 - Lisboa

e: fadu@fadu.pt
t: (+351) 21 781 81 60
f: (+351) 21 781 81 61

Newsletters

Social

Portuguese English French

FADU - Todos os Direitos Reservados © 2015
Desenvolvido por Drop Agency

Este website utiliza cookies que permitem melhorar a sua navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. O que são Cookies?