'Foi um grupo competitivo e não foi fácil ganharem-nos' - Hugo Ferreira

 

 

A cidade polaca de Bydgoszcz seria o palco do Campeonato Mundial Universitário de Mind Sports se a pandemia de covid-19 não tivesse trocado os planos da organização. Dadas as condicionantes, os tabuleiros reais deram lugar aos tabuleiros virtuais e a Seleção Nacional Universitária de Xadrez acabou por… jogar em casa. Hugo Ferreira, estudante-atleta do Instituto Politécnico de Tomar, integrou a lista de selecionados, ele que soma um título de campeão nacional universitário e três de vice-campeão. 

 

Com que expectativas ias para esta competição?

Hugo Ferreira (HF) – As expectativas para este torneio foram as mesmas que levo para qualquer torneio onde participe. Preocupo-me em fazer o meu melhor, obter a classificação mais elevada e ganhar cada jogo.

 

O que achaste do nível competitivo?

(HF) – Podemos encontrar de tudo num campeonato mundial. Temos jogadores com nível de alta competição como o Manuel Petrosyan, jogadores fortes mas que ainda não chegam ao nível profissional, e temos jogadores que jogam pelo gosto do jogo e como hobby.

 

O facto de ter sido competição online condicionou a participação ou nem por isso?

(HF) – Na minha opinião influencia bastante. Normalmente, quando jogamos online, a grande maioria dos jogadores não joga mais do que cinco minutos, ou seja, jogamos o xadrez rápido.  Presencialmente temos outra postura, estamos mais focados, mais concentrados, demoramos mais tempo a pensar em cada jogada. Para mim é completamente diferente olhar para o tabuleiro presencialmente ou de forma digital.

 

Os formatos online são na tua opinião uma boa alternativa em tempos de pandemia?

(HF) – Claramente que é a melhor alternativa nestas situações. Eu tenho sempre receio que os meus adversários não sejam honestos, mas isso é porque já ando neste ‘mundo do xadrez' há algum tempo e já vi muita batota. Sempre que possível, prefiro jogar de forma presencial.

 

O que achaste do grupo selecionado para representar Portugal?

(HF) – Já nos conhecemos todos há muitos anos. Por exemplo, eu, o Henrique e o Tiago já nos conhecemos há cerca de 10 anos. Eu jogo xadrez há quase 15 anos. Assim é normal já estarmos entrosados, temos respeito mútuo e temos consciência do que cada um vale. Foi um grupo competitivo e não foi fácil ganharem-nos. Poderia haver mais dois ou três jogadores nacionais, como o André Sousa, André Fidalgo ou a Rita Jorge, que dariam mais força à equipa, mas foi este o grupo, nós jogámos com o que tínhamos.

 

Faz um balanço da participação portuguesa.

(HF) – Eu tinha confiança que era possível chegar à segunda fase, mas tínhamos todos noção da realidade. Foi uma modalidade nova de jogar e não tínhamos muita informação dos nossos adversários, que é importante. Para a próxima já temos esta experiência e iremos conseguir fazer ainda melhor. Podemos dizer que cumprimos a nossa obrigação e o grupo fez o melhor que conseguiu nestas circunstâncias.

e-max.it: your social media marketing partner
 

Apoios Institucionais

Governo Português
IPDJ

Patrocionador Principal

Jogos Santa Casa

Parceiros

COSMOS
CISION

Membro

FISU
EUSA
COP
CPP
CDP
CNJ
FADU

Avenida Professor Egas Moniz
Estádio Universitário de Lisboa, Pavilhão nº1
1600-190 - Lisboa

e: fadu@fadu.pt
t: (+351) 21 781 81 60
f: (+351) 21 781 81 61

Newsletters

Social

ptenfr

FADU - Todos os Direitos Reservados © 2015
Desenvolvido por Drop Agency

Este website utiliza cookies que permitem melhorar a sua navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. O que são Cookies?